terça-feira, 31 de maio de 2011

Os melhores sentimentos do mundo...


Dormir tarde, não ter dever de casa, amar e ser amado de volta, abraços que duram mais que um minuto, o primeiro mergulho do verão, um sorriso daquele alguém especial, rir até seu estômago doer, receber presentes inesperados, não lembrar qual foi a última vez que você chorou, tirar 10 em um teste que você não estudou, ver fotos de quando você era pequeno, quando alguém fala que nunca quer te perder, saber que você é amada, ser chamada de linda, achar aqueles jeans que servem perfeitamente, comer o que você estava com muita vontade, saber que você pode dormir até a hora que quiser, botar o pijama depois de usar jeans o dia inteiro, quando alguém fala que você é cheirosa, fazer novos amigos, provar para o CDF que você estava certo, escutar sua música preferida, dormir com a chuva, quando riem das suas piadas, ganhar um bracelete da amizade, sorrir, fazer as malas para as férias, perceber que é sexta-feira, saber que você vai ficar bem.

Beijos, Larissa Sobral.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Isso não é covardia demais?


É claro que todo mundo já ouviu falar no tal do Bullying, mas porque será que de uma hora para outra esse assunto tornou-se algo tão comentado e questionado? Para quem não sabe Bullying é um termo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencional e repetida, praticada por um indivíduo ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo incapaz de se defender. O Bullying está sendo tão comentado, porque de uma forma direta ou indireta milhares de pessoas estão sendo humilhadas. Isso ocorre com maior frequência nas escolas, é exatamente nelas onde há os maiores índices de adolescentes que sofrem o bullying, o pior é que a maioria das vitimas, estão tão isoladas e sozinhas, que não tomam a iniciativa de pedir ajuda aos familiares, amigos e vão aos poucos se excluindo da sociedade. Ansiedade, tensão, medo, raiva reprimida, angústia, tristeza, desgosto, sensação de impotência e rejeição, mágoa, desejo de vingança e pensamento suicida, dentre outros são os principais sentimentos que uma pessoa que sofre esse tipo de violência é obrigada a sentir, o engraçado é que as pessoas que praticam essa violência se divertem, será mesmo que causar essa dor a alguém faz você se sentir melhor que ela? Isso não é covardia demais?

“Eu estava sentada no canto da sala, observando aquele antro de pessoas fúteis e presunçosas, que de alguma forma se sentiam superiores a mim e aos outros indivíduos presentes naquela maldita escola. Estava no canto da sala, tentando de alguma forma entender o que aquelas pessoas pensavam quando chegavam até mim e me humilhavam sem ao menos se importar por algum sentimento de dor e angustia que eu poderia está sentindo. No canto da sala, eu buscava me reconfortar em algum pensamento feliz e divertido, tentava esquecer, de alguma forma todo o sentimento que exclusão que aquelas pessoas me obrigavam a sentir. Odeio os apelidos de mau gosto, as piadinhas exageradas, os olhares indiscretos... Tudo que eu tinha que fazer era manter a calma e respirar fundo, sempre soube como era difícil, mas passa. Queria que as pessoas me aceitassem como sou. Essa garota tímida, desajeitada, quieta... Essa futilidade e essa falta de senso crítico dessas pessoas de certa forma me impressionavam. Eu sempre preferi ser anti-social a fingir que gosto das pessoas, e sinto que isso fez toda a diferença. Talvez eu não seja aquela garota super linda, inteligente, popular, extrovertida, mas pelo menos sou eu mesma e eu sei quem eu sou.”                                                                                                                                 [R.A. 16 anos]

O Problema de muitas pessoas é achar que é melhor que o outro, quando na verdade somos todos iguais, independentemente das "condições" impostas pela sociedade, cada pessoa é importante do seu jeito e as diferenças são apenas pequenos detalhes que fazem com que as pessoas tenham sempre algo de diferente para mostrar e surpreender.

Beijos , Iasmim Lins!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Inevitável...


Em meio à sala escura e silenciosa, ela podia sentir sua presença. Ele irradiava o calor que parecia esquentar todo o ambiente. Apesar de não vê-lo, sabia que ele sorria suavemente ao som de seus passos. Ele também sabia que ela estava ali. Não havia mais como voltar atrás. Eles haviam chegado ao fim da linha.
Cauteloso, ele levantou-se da cadeira para enxergar melhor a figura a sua frente. Podia sentir o doce perfume que ela exalava adentrar em suas narinas. Deu um passo a frente e ela recuou.
— Tudo bem com você? — sua voz, indescritivelmente aconchegante, fez com que ela cambaleasse.
Ela sentiria falta daquela voz sussurrando em seu ouvido para ninguém mais ouvir, sentiria falta de suas risadas, de seu toque despreocupado quando ia pedir algo emprestado, até mesmo do seu cheiro. Mas não podia se iludir mais uma vez. Isso tudo era consequência de uma brincadeira insana de adolescentes rebeldes, não significava nada para ele. Disso ela tinha certeza.
— Se eu dissesse que sim, estaria mentindo. — disse friamente e mesmo na penumbra, ela pode ver sua expressão se fechar.
— E qual o motivo da infelicidade dessa moça tão linda?
Chegara a hora de revelar todos os segredos. Ele era seu amigo. Ele iria entendê-la com certeza. Se tudo desse certo, ainda poderiam continuar a amizade. Fingir que nada tinha acontecido. Que essa conversa jamais existiu. Apesar de saber que era o melhor a ser feito, ela ainda hesitou. Mas ao senti-lo segurar sua mão com força, incitando-a a prosseguir, ela respirou fundo, e sem mais pensar, com os olhos marejados, disse:
— Eu amo você.
E sem mais nenhuma palavra, ela caiu no choro.
Ele continuava ali, parado, segurando sua mão com força.
Quando ela percebeu que ele não falaria nada, decidiu continuar. Ele precisava de uma explicação. Ao menos isso.
— Sei que é idiotice minha — começou entre soluços — sei que somos amigos, apenas bons amigos. Mas não pude evitar. Sei que tudo que você dizia era brincadeira, mas alguma parte de mim queria acreditar que era verdade! Eu precisava te falar, não agüentava mais esconder. Se você não quiser mais falar comigo, tudo bem, vou entender. Mas eu precisava te dizer, e você precisava saber. E eu sei que vai ser difícil esquecer o que sinto por você, porque no fundo, eu não quero esquecer. Mas se for preciso, eu farei. Só não posso perder sua amizade!
Então, tudo que escondera depois de tanto tempo de amizade veio à tona. As lágrimas rolavam em cascatas por sua face. Agora, só o que restava era aguardar a reação. Mas porque ele estava demorando tanto? Porque não respondia logo? Porque continuava parado ali olhando? E Porque ele estava sorrindo?
— Sabe, você tem que saber que toda brincadeira tem um fundo de verdade. — Estática, ela apenas observava seu sorriso se abrindo cada vez mais.
— O que... — ela tentou falar, mas ele foi mais rápido, em uma fração de segundos, seu dedo indicador repousava sobre seus lábios.
— Você é muito importante pra mim, sua amizade também. — as lagrimas cessaram, ela já esperava por aquilo, mas apesar de tudo, a dor em seu peito era absurda. — Mas... tudo que eu dizia pra você, acreditando ser brincadeira, era verdade. Demorei um tempo para perceber isso, e também fiquei com medo de estragar nossa amizade, preferi esconder. Mas quero que saiba que... Eu também te amo!
Ela o observava, boquiaberta.
E sem dizer mais nada, ele a puxou para um abraço bem apertado. Ela queria poder ficar ali para sempre, sentindo sua presença, o seu cheiro. Palavras já eram desnecessárias. Ele estava ali, com ela.
Isso bastava.

Texto de Larissa Sobral, para Ingrid Lilianne.

domingo, 22 de maio de 2011

Nostalgia


Saudade, palavra que não existe em todas as línguas, sentimento que todo mundo sente, é a vontade de voltar no tempo e viver tudo de novo. E uma das únicas coisas que duram para sempre, é a nostalgia contínua que faz rir, chorar, lembrar e amar. A saudade despreza o presente, supervaloriza o passado e não tá nem aí para o futuro, onde está, aonde foi, o que fez... É muito mais importante que qualquer outra coisa, é como pegar o livro da sua vida, e ler antes de dormir. É possível lembrar de cada detalhe, cada gosto, cada música e cada conversa. A saudade faz ficar perto o que está longe, saudade é muito mais do que lembrar, é nunca mais esquecer.
Beijos, Iasmim Lins ; )

sexta-feira, 20 de maio de 2011

tem como não gostar? .-.

Devido a muitos pedidos e ao grande número de visualizações, (kkkkk' calma, ainda chegamos lá :D), decidimos postar outro vídeo produzido por Carlos e Ycaro, a dupla sertaneja  mais comentada do momento!õ/\õ
A música da vez é Down, do Jason Walker! tipo assim, PERFEITO! .-.
Assistam, divirtam-se, divulguem, emocionem-se e APAIXONEM-SE! *o* e não esqueçam de seguir: @Carloosilva e @Quynhoo da Bahia, (6)
Thanks por dedicar o vídeo pra gente, gatos! A gente lova vocês!*-*

video

Ansiosa para o próximo vídeo,
beijos, Larissa Sobral. ;P


terça-feira, 17 de maio de 2011

all we need is to understand the game of love ...



Em uma aula de literatura sobre as cantigas do Trovadorismo, seria comum iniciar-se um debate sobre o que é o amor. Ao escutar a opinião dos presentes, é notável que cada pessoa pensa de um jeito diferente, mas no fundo todos parecem estar em busca de uma única coisa. O tal do amor.
Mas então, o que seria o amor afinal? Viver sua vida em função do outro? Sorri quando o amado está feliz, chorar quando ele estiver triste? Ou simplesmente uma idiotice da cabeça dos mais fracos? Não existe uma definição exclusiva. O amor pode ser caracterizado de várias formas, dependendo do que você sente, e por quem você sente. Mas idiotice não seria.
Existem vários tipos de amor. Amor de mãe, aquele que nunca acaba. Amor de irmãos, insuportável viver SEM, quando se tem. Amor de amigos, mais que um querer bem. Amor entre homem e mulher, podendo ou não ser recíproco: o mais complicado de todos.
Quando se ama, você não consegue ver as coisas como realmente são. Você vê como quer que seja. O mínimo gesto pode se tornar um grande sinal de correspondência.
O problema é que quando o amor não é correspondido, você experimenta uma das piores dores do mundo. Desilusão. Mas você sofre em silêncio, por não ter coragem de falar, ou pelo simples fato de saber que nunca iria dar certo. Mas o que seria o certo a fazer? Deixar a pessoa ser feliz com quem ela quer, pois sabendo que ela está feliz, você estará feliz? Ou tê-la com você sabendo que não a faz feliz? Pode até parecer egoísta da parte dos que concordam com isso. Mas se dizem que “aquilo que se faz por amor, está sempre além do bem e do mal.”, Não seria tão egoísta assim, seria?
Ainda há aqueles que acreditam que você só precisa conhecer as regras para saber jogar.
Mas não podemos esquecer que para podermos amar alguém, antes de tudo, precisamos amar a nós mesmos. Precisamos nos sentir confiantes para vencer os desafios, superar as tristezas e comemorar nossas vitórias!
Então tudo que você precisa é o amor? Ou pra você o amor é apenas um jogo?
Acredito que tudo que precisamos é entender o jogo do amor. E que independente das diversas opiniões existentes, não conseguíramos viver sem amar. Pois é isso que torna a vida mais bonita e que a faz valer a pena.

                                                                                   Texto de Larissa Sobral. 

the most dangerous game...




O verdadeiro homem quer duas coisas: perigo e jogo.
 Por isso quer a mulher: o jogo mais perigoso.

                               Friedrich Nietzsche
                                                                                       

domingo, 15 de maio de 2011

Ele não saí da sua cabeça, não é?

          
        Quantos anos são necessários para esquecer um instante? Quantas vezes você jurou que essa seria a última vez , e continuou dando oportunidade para a mesma história? Estou mentindo quando digo que você costuma se distrair da que está fazendo, e se pega pensando nele? Bom seria poder apagar as memórias com a mesma felicidade com que se apaga fotos. Se apegar foi tão fácil, difícil agora vai ser esquecer. Mas mesmo assim você lutaria por ele, não é? Mesmo sem forças, mesmo sem motivos. E o que fica claro é que não consegue o esquecer porque no fundo você não quer.
Texto de Iasmim Lins

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Sexta-Feira, 13


          Bem, quem nunca passou por de baixo de uma escada e se sentiu azarado, quebrou um espelho e jurou que teria 7 anos de azar, ou deu a volta em um bairro para não ter que passar por aquele gato preto? Pois é a "Sexta-Feira, 13" é mais uma das superstições que atormentam as pessoas, ela é considerada popularmente como um dia de azar. Na numerologia o número 12 é considerado de algo completo, como por exemplo: 12 meses no ano, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos de Jesus ou 12 signos do Zodíaco. Já o 13 é considerado um número irregular, sinal de infortúnio. A sexta-feira foi o dia em que Jesus foi crucificado e também é considerado um dia de azar. Somando o dia da semana (sexta) com o numero (13) tem-se o mais azarado dos dias.
          A superstição foi relatada em diversas culturas remontadas muito antes de Cristo. Existem histórias também pela mitologia nórdica. Na primeira delas, conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Há também quem acredite que convidar 13 pessoas para um jantar é uma desgraça, simplesmente porque os conjuntos de mesa são constituídos, regra geral, por 12 copos, 12 talheres e 12 pratos. Segundo outra versão, a deusa do amor e da beleza era Friga (que deu origem a frigadag, sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, Friga foi transformada em bruxa. Como vingança, ela passou a se reunir todas as sextas com outras 11 bruxas e o demônio, os 13 ficavam rogando praga nos humanos. Aguns pesquisadores relatam que o grande dilúvio aconteceu na sexta-feira. A morte de Cristo aconteceu numa sexta-feira quando é celebrada a páscoa. Marinheiros ingleses não gostam de zarpar seus navios à sexta-feira. 
Essas são algumas histórias da origem da azarada "Sexta-Feira, 13", vocês já tinham ouvido falar de alguma? ou conhecem alguma história sobre a "Sexta-Feira, 13" ?

P.S. Hoje foi a melhor "Sexta-Feira, 13" que eu já tive, no bom sentido é claro kkkkk'
Beijos, Iasmim Lins!

Wherever You Will Go...


Hoje, vamos falar de uma coisa que todos adoram: Música. 
Mas em especial, falaremos sobre The Calling, uma banda de rock, dos Estados Unidos, formada em Los Angeles, Califórnia.  O The Calling começou em San Fernando Valley, quando Aaron Kamin e Alex Band se conheceram em 1995. Aaron namorava a irmã mais velha de Alex. Com o tempo o namoro terminou, mas a amizade deles continuava, e os planos para formarem uma banda também. Depois de vários contratempos, no ano de 2000 a banda apareceu no filme "Show Bar" cantando "Wherever You Will Go", e é claro, a música virou um sucesso. Infelizmente, após 5 anos, a banda acabou. :(
Mas a música continua sendo um sucesso até hoje, e já foi usadas para diversas séries e filmes.
Além de fazer parte da trilha sonora da primeira e segunda temporada do seriado Smallville, "Wherever You Will Go" é trilha sonora em Simplesmente Amor.  
 Então, nada mais justo que deixar um video para vocês curtirem um pouco. :D
O cover de Carlos Silva (@carloosilva) e Ycaro Lopes (@Quynhoo), foi feito SEM ENSAIO, nem nada :P  #show
Nós adoramos, e esperamos que vocês também gostem! :*


video


Beijos, Larissa Sobral.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Nunca é tarde demais...


“Na vida há encontros e desencontros. Nem tudo acontece conforme planejamos e nem tudo transcorre da forma certa. Temos um destino e somos capazes de mudá-lo a qualquer hora, mas dependendo da mudança, as consequências serão inevitáveis. Talvez mudar as coisas tarde demais tenha grandes consequências, mas não mudá-las poderia trazer infelicidade, pelo medo de não tentar. Afinal as lutas são o que trazem as vitórias ou derrotas. Nem sempre se ganha e nem sempre se perde. O importante é a batalha que o deixará mais forte para as próximas lutas.”   (Trecho retirado do livro O Verdadeiro Amor)
Beijos,  Iasmim Lins!

sábado, 7 de maio de 2011

Passion is love?



 Paixão não é amor, está longe de ser. Mas não é algo do qual se recupera em um piscar de olhos.
Paixão não é amor, mas deixa sempre marcas. A estranha sensação, a abstinência.
Paixão não é amor, mas não acaba da noite para o dia, se desgasta até o último grão se dissolver.
                                                                   (E. Augusto) 
                          

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Sinto saudades...


Sinto saudades de tudo que marcou minha vida. Quando vejo retratos, quando sinto cheiros, quando escuto uma voz, quando me lembro do passado, eu sinto saudades... Sinto saudades dos amigos que nunca mais vi, de pessoas que nunca mais falei, ou cruzei... Sinto saudades da minha infância, do meu primeiro amor, do segundo, do terceiro, do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, sinto saudades do presente, que não aproveitei todo, lembrando do passado e apostando no futuro, que se idealizado, provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser... Sinto saudades de quem me deixou e de quem deixei. De quem disse que viria e nem apareceu; de quem apareceu correndo, sem me conhecer direito! Daqueles que não tiveram como dizer adeus; de gente que passou na calçada contraria da minha vida e só enxerguei de vislumbre! Sinto saudades de coisas sérias, de coisas hilariantes, de caos, de experiências... Sinto saudades do cachorrinho que tive um dia e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer! Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar! Sinto saudades das coisas que vivi e das que deixei passar, sem curtir na totalidade. Quantas vezes tenho vontade de encontra não sei o que.. não sei onde... para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi... Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentido saudades. Em japonês, em russo, em italiano, em inglês... mas minha saudade por ter nascido no Brasil, só falar português, embora lá no fundo, possa ser poliglota. Aliais, dizem que se costuma usar sempre a língua pátria, espontaneamente quando estamos desesperados para contar dinheiro... fazer amor... declarar sentimentos.. seja lá em que lugar no mundo estejamos. Eu acredito que um simples ‘I miss you’ ou seja, lá como passamos traduzir saudade em outra língua, nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha. Talvez não exprima corretamente a imensa falta que sentimos de coisas ou pessoas queridas. E é por isso que eu tenho mais saudade... Porque encontrei uma palavra para usar todas as vezes que sinto esse aperto no peito, meio nostálgico, mais gostoso, mas que funciona melhor do que um sinal vital quando se quer falar de vida e de sentimentos. Ela é a prova inequívoca de que somos sensíveis! De que amamos muito o que tivemos e lamentamos as coisas que perdemos ao longo da nossa existência. 
                                                                        (Clarisse Lispector)

Beijos, Iasmim Lins ; )

terça-feira, 3 de maio de 2011

O sabor da liberdade...




Ando a procura de palavras
A procura de uma nova chance
Para esquecer os problemas

Sentir a liberdade
Já basta de romance
De rosas e corações

Encontrar um novo caminho
Sem tardes frias de música clássica,
Chocolate e vinho

Sem drama

Talvez um caminho de curtição
Sair a noite, encher a cara
Tocar violão

Ah, eu não pretendo aprontar
Só um pouco,
Jogar

Ser feliz

Assistir a um pôr-do-sol a beira mar
Perder o medo de sonhar

Chorar quando tiver vontade
Descobrir o sabor da liberdade

Sentir no rosto a brisa da noite e sorrir
Voltar para casa, ter orgulho de dizer:
Eu vivi!
                                                   (E. Augusto)
Beijos, Larissa Sobral.
                                                                                                           

domingo, 1 de maio de 2011

Se não me ama, não me iluda, ok?


Difícil mesmo é deixar prá lá, quando já se tornou importante demais, mas chega uma hora em que você cansa. Cansa de se preocupar, cansa de tentar agradar, cansa de fazer tudo em vão. Até porque, um dos momentos mais difíceis na vida é decidir se você deve desistir ou tentar mais uma vez. Mas sempre tem alguém sussurrando: “Não desista, o melhor ainda está por vir.” É sempre assim, quando você estiver desistindo do amor, vai vim sempre uma pessoa pra fazer você acreditar novamente. São tantos sentimentos, tanta coisa ao mesmo tempo, que eu me perco em mim mesma. Sabe aquela pessoa que é que forte o suficiente para consolar os outros, quando na verdade é ela que precisa de consolo? Pois é, essa sou eu. É terrível quando você tem que virar para si mesma e dizer: “Por favor, não chore!”.Quando tudo que você queria era que desse certo... pelo menos uma vez.

Texto de Iasmim Lins.